Se inscreva no canal do Telegram
Pesquisar
Close this search box.

F*da-se se o Napoleão engravidou um cavalo

A licença poética em filmes históricos.
Compartilhe:

Para receber todas as novidades, se inscreva no canal do Telegram

Aos 85 anos, Ridley Scott não tem mais papas na língua. Criticado por exagerar ou mesmo inventar certos aspectos da vida de Napoleão em seu filme mais recente, o diretor inglês mandou os “malditos” historiadores arranjarem o que fazer. “Eles não estavam lá para saber,” resmungou durante uma entrevista.

Por séculos, a vida do imperador francês foi amplamente documentada e discutida. Por que um filme de ficção, que não se propõe a ser um documentário, deveria se ater à realidade? Já no lançamento do trailer, historiadores apontaram que Napoleão nunca atingiu as pirâmides de Gizé com balas de canhão – mas não é uma cena impressionante?

Se fôssemos realistas, Napoleão não poderia ser interpretado por Joaquin Phoenix – o ator tem 49 anos e Napoleão foi coroado aos 35. Josefina, por sua vez, era 6 anos mais velha do que o marido e, no entanto, é vivida pela britânica Vanessa Kirby, de apenas 35. Por algum motivo, já nos acostumamos com atrizes mais jovens e bonitas encarnando figuras históricas.

Em Hollywood, há de se obedecer algumas convenções para viabilizar financeiramente certas obras de arte, como ter nomes reconhecíveis encabeçando o elenco. Talvez, exista um rapaz francês de 35 anos que seja perfeito para o papel, mas assistimos “Napoleão” nos cinemas para ver um ator do calibre de Phoenix.

Da mesma forma, a batalha de Austerlitz pode não ter sido tão interessante quanto ela é no filme, mas que mal há em representá-la de outra forma? Neste caso, nenhum. Napoleão morreu em 1821 e há uma oferta enorme de livros e documentários sobre a sua vida. Por que um artista como Scott contaria a mesma história, de novo?

Em 2018, uma pesquisa concluiu que 45% dos adultos utilizam uma “segunda tela”, frequentemente ou sempre, quando estão assistindo televisão. A própria Wikipédia se assumiu como uma “experiência de segunda tela” – isto é, em vez de se entregarem à narrativa proposta, muitas pessoas procuram por informações enquanto estão assistindo alguma obra.

Exigir que a ficção reflita a realidade nos seus menores detalhes é compreender o papel da arte como nada além de uma cópia. E não é à toa que tantas pessoas são iludidas pela promessa de uma inteligência artificial que só regurgita o que já existe. Por outro lado, nem tudo é permitido quando tratamos de pessoas reais.

A sexta temporada de “The Crown”, por exemplo, vem sendo bastante criticada pela forma com que a morte da princesa Diana é retratada. Sem dar spoilers, é uma abordagem que busca colocar panos quentes nas críticas feitas à família real britânica – o que seria inofensivo se estivéssemos falando de um passado longínquo, sem qualquer repercussão no mundo atual.

Produzida pelos integrantes remanescentes da banda Queen, a cinebiografia “Bohemian Rhapsody” insinua de forma vil que foi a promiscuidade do vocalista Freddie Mercury (e, por consequência, a sua orientação sexual) que desfez o grupo, isentando os demais de qualquer responsabilidade – apesar de lucrarem, até hoje, com a memória do cantor.

A verdade é que, muito antes de reanimarem o cadáver de Elis Regina para estrelar o comercial de uma marca que foi favorável à ditadura no Brasil, a humanidade já explorava os seus mortos. Talvez, a única forma ética de moldar a vivência de alguém conforme a nossa própria vontade seja justamente como no caso de Napoleão, morto há dois séculos e com uma história já bastante difundida.

Mas não, ele não engravidou um cavalo.

Tags:

Leia também:

O novo comercial da Apple é apenas uma pequena amostra deste pesadelo em que nos meteram.
A aversão ao conflito é uma ameaça à arte.
Com as vitórias de "Green Book" e "Bohemian Rhapsody", a edição de 2019 será relembrada pela infâmia.
A "nova Revolução Industrial" é um golpe.