Se inscreva no canal do Telegram
Pesquisar
Close this search box.

Godzilla Minus One

Produção japonesa que vem quebrando recordes nos Estados Unidos chega aos cinemas do Brasil.
Compartilhe:

Para receber todas as novidades, se inscreva no canal do Telegram

Lembro que, quando um dos vários “Godzillas” americanos saiu uns anos atrás, algumas pessoas tiraram sarro dos críticos por reclamarem da trama rasa. Ali, nasceu o bom e velho “ah, mas vocês também vão ver ‘Godzilla’ esperando um Bergman” – e, de repente, não se podia mais criticar filmes de apelo comercial porque a ruindade era inerente ao gênero.

Quem é mais condescendente? O crítico que espera que “Godzilla” seja bom (sem comparar com o cineasta sueco, mas com outros filmes de monstros gigantescos) ou o espectador que, ao saber da premissa, só espera o lixo? Por que um filme com uma criatura nascida dos horrores do pós-guerra, fruto das bombas que arruinaram Hiroshima e Nagasaki, não deveria ser interessante?

Já nos cinemas, “Godzilla Minus One” pode agradar tanto quem espera alguma substância de um filme de monstro como aqueles que só querem ver a destruição. Dirigido por Takashi Yamazaki, a produção japonesa acumula elogios das duas facções, com 97% de avaliações positivas da crítica e 98% do público no Rotten Tomatoes.

Nos Estados Unidos, um país infame pela aversão às legendas, “Minus One” vem quebrando recordes e se tornou o filme japonês de maior sucesso na história, além da melhor estreia de uma produção internacional em 2023. De vez em quando, é preciso um kaiju para derrubar a muralha que separa os cinéfilos dos espectadores mais casuais.

A trama acompanha Koichi Shikishima, um piloto kamikaze – interpretado por Ryunosuke Kamikiki, que dá voz a animações como “Viagem de Chihiro” – que retorna para um país arrasado pela guerra sem cumprir o seu dever. Atormentado pela culpa, Shikishima terá uma nova chance de provar a sua coragem quando Godzilla surge para aniquilar o que restou do Japão.

Como é possível notar já pela sinopse, há um alicerce dramático que torna cada “visita” da criatura uma tragédia. É dando a dimensão do sofrimento do povo japonês que o diretor consegue criar uma tensão ainda maior em torno do monstro. E que tensão! Há uma cena em alto mar, em que Godzilla persegue uma pequena embarcação, que é um dos destaques do ano.

A conclusão de “Minus One” não é perfeita, tudo se resolve de uma maneira quase surreal, mas impressiona a qualidade de um filme tão bem fundamentado em seus personagens, com cenas de ação tão eficazes, e feito com uma fração do orçamento das megaproduções americanas – estas, sim, cada vez menos promissoras.

Tags:

Leia também:

Produções como “Fallout”, “Xógum”, “X-Men '97” e o novo “Planeta dos Macacos – O Reinado” tratam do "nós contra eles".
O novo comercial da Apple é apenas uma pequena amostra deste pesadelo em que nos meteram.
Ryan Gosling encanta em comédia de ação que presta homenagem aos que fazem a magia do cinema acontecer.
Dirigido por Luca Guadagnino, triângulo amoroso com Zendaya remete à exuberância de outrora.