Se inscreva no canal do Telegram
Pesquisar
Close this search box.

Netflix: Destacamento Blood

Novo filme de Spike Lee discute a participação negra na guerra do Vietnã.
Compartilhe:

Para receber todas as novidades, se inscreva no canal do Telegram

Já disponível na Netflix, “Destacamento Blood” conta a história de quatro veteranos da guerra do Vietnã (Delroy Lindo, Clarke Peters, Norm Lewis e Isiah Whitlock Jr.) que retornam ao país, décadas mais tarde, para recuperar os restos mortais do líder do esquadrão (interpretado por Chadwick Boseman) e resgatar um tesouro escondido. Originalmente, o filme teria quatro protagonistas brancos, mas o diretor Spike Lee e seu co-roteirista Kevin Willmott transformaram os personagens em soldados em negros. “Nós mudamos,” disse Lee em entrevista. “Colocamos o nosso tempero, um pouco de molho barbecue, um pouco de funk, de Marvin Gaye e aí está.”

Por incrível que pareça, “Destacamento Blood” quase não saiu do papel. “Fomos atrás de todos os estúdios e todos nos rejeitaram”, afirmou o diretor que acumula 25 longas, um Oscar honorário, recebido em 2015, e um Oscar pelo roteiro adaptado de “Infiltrado na Klan”, sucesso de crítica e de bilheteria de 2018. Assim como David Fincher, Alfonso Cuarón e Martin Scorsese (que fez o seu último filme pela Netflix e fará o próximo pela Apple), restou a Spike Lee recorrer ao streaming, que vem viabilizando projetos mais arriscados, esnobados por estúdios tradicionais, de cineastas de renome.

Com referências de “Apocalypse Now” e “O Tesouro de Sierra Madre”, Lee discute a participação negra na guerra do Vietnã, tema pouco explorado nos filmes do gênero. E é o momento ideal para fazê-lo, dadas as manifestações do movimento Black Lives Matter nos Estados Unidos. Por mais oportuno que seja, no entanto, “Destacamento Blood” não é fácil de assistir. Com inserções de fotos e imagens reais da guerra, o diretor se perde um pouco no excesso de didatismo – por exemplo, um personagem cita a cantora Aretha Franklin, a cena é cortada para mostrar uma foto da própria, como se o espectador não fosse capaz de ligar o nome à pessoa.

Em “Destacamento Blood”, há também uma persistência em tocar em assuntos atuais que nada contribuem à trama, como o uso de Oxycontin por um dos persongens e a crise americana dos opioides, um problema que existe, mas não é pertinente ao tema retratado. É como o garoto jogando videogames violentos durante o assalto de “O Plano Perfeito” (2006), um comentário geral e desorganizado que se resume num “pra você ver como são as coisas, né”. Apesar dos defeitos, Delroy Lindo está memorável como o veterano Paul, um dos poucos personagens realmente tridimensionais da obra.

Tags:

Leia também:

Baseada em caso verídico, minissérie policial da Netflix retrata o trauma de vítimas de estupro.
Indicado em 3 categorias do Oscar, "Guerra Fria" é uma espécie de Romeu e Julieta do século 20, com uma sucessão de pequenos suicídios.
Estreia de Regina King na direção humaniza figuras da luta pelos direitos civis nos Estados Unidos.
Com roteiro de Scott Z. Burns, filme dirigido por Soderbergh retrata pandemia.