Se inscreva no canal do Telegram
Pesquisar
Close this search box.

O tom de Atentado ao Hotel Taj Mahal

Baseado em uma tragédia real, o primeiro filme de Anthony Maras entretém, mas acomoda certas nuances.
Compartilhe:

Para receber todas as novidades, se inscreva no canal do Telegram

Em novembro de 2008, dez membros de um grupo terrorista coordenaram ataques em pontos diversos de Mumbai, na Índia. Um dos alvos escolhidos foi o Taj Mahal Palace, um luxuoso hotel de cinco estrelas, que já hospedou inclusive a realeza britânica. Em filmes e séries que tratam de atentados e desastres naturais em países “exóticos”, é comum acompanharmos protagonistas brancos, sob o pretexto de que o público internacional precisa se identificar com as vítimas – como acontece em “Horas de Desespero” (2015) e “O Impossível” (2012). 

A morte de diversos locais (em Mumbai, foram 174 mortos e 300 feridos) serviria apenas como um pano de fundo para o heroísmo de mocinhos loiros, o que não é o caso de “Atentado ao Hotel Taj Mahal”. No filme de estreia do diretor Anthony Maras, o californiano Armie Hammer (de “A Rede Social” e “Me Chame Pelo Seu Nome”) não é o grande herói. Interpretado por Dev Patel, de “Quem Quer Ser um Milionário?”, Arjun é um garçom sikh que arrisca a própria vida para salvar os hóspedes do hotel. No Hotel Taj, afinal, “o hóspede é Deus”.

Em tese, devemos nos emocionar com o sacrifício desses funcionários, que vivem em pobreza extrema, mas escolhem permanecer no hotel para servir mafiosos russos e socialites racistas. É correto, no entanto, transformar a tragédia de centenas de famílias indianas (inclusive dos policiais locais que, apesar das condições mais precárias, enfrentaram os terroristas) em entretenimento? “Atentado ao Hotel Taj Mahal”, afinal, é um filme de ação muito bem filmado, com cenas de suspense e gestos heroicos – tanto dos mocinhos como dos bandidos.

Com roteiro assinado pelo próprio Maras e também por John Collee, o filme entretém, mas ainda acomoda certas nuances. O mafioso russo, a socialite racista e até os terroristas islâmicos são tratados como seres humanos, com motivações próprias que, apesar das consequências mais repugnantes, fazem algum sentido. Ainda que os roteiristas tenham tido a boa intenção de tornar os personagens mais complexos, “Atentado ao Hotel Taj Mahal” derrapa no tom. Nos créditos finais, somos informados de que o hotel foi restaurado e continua em funcionamento – um detalhe que não importa, dada a perda humana.

Tags:

Leia também:

A tragédia como evento canônico em "Furiosa" e "Fúria Primitiva".
Blockbuster anticolonialista da Índia ensina como se faz ação.