Se inscreva no canal do Telegram
Pesquisar
Close this search box.

Oscar 2019: Poderia Me Perdoar?

Com personagens complexos, "Poderia Me Perdoar?" aborda a arte sem um pingo de glamour.
Compartilhe:

Para receber todas as novidades, se inscreva no canal do Telegram

“Poderia Me Perdoar?” trata da história real de Lee Israel, uma escritora com dificuldades financeiras – aluguel atrasadíssimo e um gato idoso com caras despesas veterinárias – que decide falsificar cartas pessoais de autores ilustres, como Dorothy Parker e Noel Coward, para vendê-las a colecionadores literários. Afinal, a satírica Dorothy Parker já dizia: “Eu não me importo com o que escrevam sobre mim, desde que não seja verdade”.

Interpretada por Melissa McCarthy em rara atuação dramática, Lee vive com o gato Jersey em um apartamento imundo, onde enfrenta um bloqueio criativo com doses puras de whiskey. Seu último livro, uma biografia da empresária Estée Lauder, é vendido a preço de banana nas livrarias de Nova York. Sua agente literária está cansada de lidar com os seus projetos obscuros e a sua personalidade irascível. O único amigo de Lee é o boêmio Jack Hock (Richard E. Grant), uma espécie de Oscar Wilde indigente, que vira o seu parceiro no crime.

Dirigido por Marielle Heller, de “O Diário de uma Adolescente”, “Poderia Me Perdoar?” é indicado em 3 categorias do Oscar: roteiro adaptado, ator coadjuvante e atriz principal. Conhecida por personagens pitorescos, de comédias como “Missão Madrinha de Casamento” e “A Espiã que Sabia de Menos”, McCarthy interpreta Lee como uma misantropa sensível sua incapacidade de criar, sem tomar a identidade de outra pessoa, esconde o medo de usar a própria voz e se tornar vulnerável à rejeição.

Um dos mais simpáticos concorrentes ao Oscar, Grant é também bastante verossímil como o amigo destrambelhado, que não é muito confiável, mas topa qualquer esquema. Mesmo com dois párias sociais (além de desajustados, ambos são gays) no centro de um enredo passado nos anos 1990, o roteiro nunca adota um tom moralista – Lee e Jack não são julgados ou perdoados por suas ações. O espectador tem acesso a todas as nuances do caso que é baseado no livro da própria Lee Israel, publicado em 2008.

Sem um pingo de glamour, “Poderia Me Perdoar?” é a resposta perfeita para quem acredita naquele velho adágio atribuído a Confúcio: “Escolha um trabalho que você ame e você nunca terá que trabalhar um dia em sua vida”. Dorothy Parker mesmo dizia que odiava escrever, mas adorava ter escrito. Porque toda forma de expressão – inclusive esta – é um esforço, uma luta diária contra as deficiências do bolso, da mente e do coração.

Tags:

Leia também:

Do mesmo diretor da série "Fleabag", Millie Bobby Brown vive irmã caçula de Sherlock Holmes em novo filme da Netflix.
Filme adolescente de Amy Poehler incita rebelião comportada.
Vencedor do Oscar de melhor filme internacional retrata relação pessoal com a arte.
Comédia romântica de Alice Wu faz releitura lésbica de Cyrano de Bergerac.