Se inscreva no canal do Telegram
Pesquisar
Close this search box.

Oscar 2020: Um Lindo Dia na Vizinhança

Por meio do apresentador Fred Rogers, Marielle Heller investiga a masculinidade tóxica.
Compartilhe:

Para receber todas as novidades, se inscreva no canal do Telegram

Fred Rogers estudou música, foi ordenado pela Igreja Presbiteriana e se tornou um dos ícones mais queridos da televisão infantil dos Estados Unidos. Apresentando o programa “Mister Rogers’ Neighborhood” entre os anos de 1968 e 2001, foi pioneiro ao introduzir temas como diversidade e aceitação para um público pré-escolar. Com uma abordagem sensível e delicada, também discutiu assuntos difíceis como o divórcio e a morte – tudo para que as crianças pudessem desenvolver as ferramentas necessárias para lidar com a vida adulta e os próprios sentimentos.

Inspirado na amizade do jornalista Tom Junod com o apresentador, “Um Lindo Dia na Vizinhança” não é um filme sobre a vida de Rogers, mas sobre os seus ensinamentos. Neste sentido, é uma cinebiografia perfeita, pois retrata a essência do seu objeto e não simplesmente a sua trajetória pessoal. Falar de Rogers pelo viés do outro faz sentido, pois ele era conhecido por dedicar toda a sua atenção ao próximo: “Muito tempo atrás, um homem de uma gentileza engenhosa e implacável viu algo em mim[…]Ele confiou em mim quando eu não achava que era digno de confiança, e se interessou por mim muito mais do que eu me interessei por ele,” escreveu Junod após o lançamento do filme.

Dirigido por Marielle Heller, a mesma do excelente “Poderia Me Perdoar?”, Matthew Rhys interpreta Lloyd Vogel, um jornalista cínico, com uma família disfuncional e um filho recém-nascido, que é incumbido de entrevistar Rogers (Tom Hanks) para um perfil na revista Esquire. Indicado ao Oscar de ator coadjuvante, Hanks incorpora a fala pausada e o olhar carinhoso do apresentador. Diferente de uma entrevista comum, Rogers quer saber sobre a família do jornalista, suas memórias de infância e os seus sentimentos – coisas que Vogel vem evitando verbalizar ou pensar a respeito.

“Fred Rogers é o único homem que poderia me convencer a fazer um filme sobre homens,” disse a diretora em entrevista. “É importante fazer filmes sobre homens bons e homens que estão tentando ser melhores, sobre as dificuldades da masculinidade.” Muitos dos filmes indicados ao Oscar de 2020 lidam com a angústia masculina: “O Irlandês” trata de toda uma geração isolada pela violência e pela falta de comunicação; “Ford vs. Ferrari” retrata a competitividade em um esporte essencialmente masculino; “1917” se passa durante a Primeira Guerra Mundial; “Era Uma Vez em… Hollywood” transpira nostalgia por uma era dominada por machões e “Coringa”, bom, “Coringa” é aquilo lá.

Entre tantos diretores renomados, Heller é a única a propor formas produtivas de lidar com a crise da masculinidade e, mesmo assim, “Um Lindo Dia na Vizinhança” foi indicado somente na categoria de ator coadjuvante. Em um ano tão repleto de histórias que retratam o homem como uma vítima da sociedade, uma investigação feminina da masculinidade tóxica pode ter desagradado a Academia – composta, majoritariamente, por homens. Para Junod, no entanto, o filme de Heller é o ponto culminante dos presentes que Fred Rogers proporcionou ao seu público.

Tags:

Leia também:

Indicado em 5 categorias do Oscar, filme de estreia da diretora Greta Gerwig está disponível via streaming.
Wim Wenders encontra poesia nos banheiros públicos do Japão.
Um dos líderes na corrida ao Oscar, "A Favorita" renova a representação feminina em filmes de época.
Vencedor do Oscar de melhor filme internacional retrata relação pessoal com a arte.