Se inscreva no canal do Telegram
Pesquisar
Close this search box.

A homofobia em O Mau Exemplo de Cameron Post

Protagonizado por Chloe Grace Moretz, filme vencedor do Festival de Sundance aborda tema oportuno.
Compartilhe:

Para receber todas as novidades, se inscreva no canal do Telegram

Baseado no livro de Emily M. Danforth, “O Mau Exemplo de Cameron Post” trata de uma garota, interpretada por Chloe Grace Moretz, que é flagrada fazendo sexo com a melhor amiga e acaba sendo enviada a um acampamento cristão de “cura gay”, onde os irmãos Rick e Lydia (John Gallagher Jr. e Jennifer Ehle) tentam “converter” dezenas de outros adolescentes homossexuais – entre eles, Jane (Sasha Lane) e Adam (Forrest Goodluck), os únicos que parecem resistir à baboseira religiosa.

Durante as sessões constantes de prece e pseudoterapia, Cameron é forçada a vasculhar a própria infância em busca de algo que explique a sua atração por meninas. Em geral, as justificativas sugeridas variam entre muita atenção dada pelos pais, ou pouca atenção dada pelos pais, até a paixão excessiva por esportes supostamente masculinos. Para a direção do acampamento “Promessa de Deus”, a homossexualidade sequer existe, o desejo é apenas uma expressão de pecado, comparável ao vício em drogas.

Vale lembrar que, apesar do discurso do atual presidente de que “ter filho gay é falta de porrada” e o eleitorado homofóbico que aparenta concordar com a afirmação, a Associação Americana de Psiquiatria retirou a homossexualidade da lista de doenças mentais em 1973. A Organização Mundial de Saúde e o Conselho Federal de Psicologia seguem a mesma resolução – o que não significa muito, é claro, para um governo anti-intelectual e sem qualquer apreço pela ciência ou pelos direitos humanos.

Dirigido por Desiree Akhavan, que também assina o roteiro junto com Cecilia Frugiuele, “O Mau Exemplo de Cameron Post” foi vencedor do Festival de Sundance em 2018 e tem estreia prevista para 18/04. Apesar do tema sério, o filme conta com uma fotografia delicada, que não se refestela no sofrimento de seus personagens – Moretz aparece chorando uma única vez, encolhida embaixo de uma mesa, escondida da luz do sol. Há também momentos de leveza no roteiro, que tornam a necessidade de existir, sem repressão ou coerção social, ainda mais urgente.

Tags:

Leia também:

Com Paul Mescal, o melhor filme de 2022 já está disponível na Mubi.
Em "Passagens", indicado para maiores de 18 anos, o sexo é fundamental para compreender os personagens.
Um dos líderes na corrida ao Oscar, "A Favorita" renova a representação feminina em filmes de época.
Sequência da animação de 2018 é um espetáculo maior, mais complexo e ainda mais deslumbrante.