Se inscreva no canal do Telegram
Pesquisar
Close this search box.

HBO Go: Eu Terei Sumido na Escuridão

A busca obsessiva por um serial killer e o fascínio feminino pelo "true crime".
Compartilhe:

Para receber todas as novidades, se inscreva no canal do Telegram

Baseada no livro póstumo de Michelle McNamara, a minissérie “Eu Terei Sumido na Escuridão” não é como outros documentários sobre casos reais. O foco não é a apreensão de Joseph DeAngelo, réu confesso por uma série de estupros e homicídios das décadas de 1970 e 1980, mas a busca obsessiva de McNamara pela justiça. “Trata-se da perspectiva de Michelle como escritora e de sua representação das sobreviventes,” declarou a diretora Liz Garbus.

Disponível na HBO Go, “Eu Terei Sumido na Escuridão” aborda a vida pessoal de McNamara, seu processo criativo e o custo emocional de sua investigação, interrompida por uma morte repentina no ano de 2016, antes da captura de DeAngelo. “Temos uma voz feminina no centro da narrativa[…]Na forma como escolhemos filmar, era importante não tomar o ponto de vista que o assassino tinha da mulher, mas focar na perspectiva da sobrevivente.” 

A mudança de foco da minissérie de apenas 6 capítulos é inovadora para um gênero em que, frequentemente, as mulheres são apresentadas como vítimas sem voz. Além de tratar da obsessão de McNamara, “Eu Terei Sumido na Escuridão” também aborda a forma como o abuso sexual costumava ser encarado décadas atrás, o processo de recuperação das vítimas e por que séries e documentários policiais atraem a atenção de tantas mulheres.

De acordo com um estudo da Universidade de Illinois, mulheres são muito mais atraídas pelo “true crime” do que os homens. A CrimeCon, uma convenção anual para fãs do gênero, é frequentada, sobretudo, por um público feminino. Ao tratar do estado mental de McNamara, “Eu Terei Sumido na Escuridão” busca explicar o fascínio feminino pelo mundo do crime. Para a minissérie, mergulhar no trabalho de detetive seria uma forma de automedicação.

“Acho que viver na pele de outras pessoas, ou lidar com este caso, me ajudou a esquecer dos meus próprios traumas,” diz Melanie Barbeau, uma detetive amadora que colaborou com a investigação de McNamara e também foi vítima de abuso sexual. Assim, o gênero do “true crime” pode ser visto como uma forma de terapia para a mulher, criando uma sensação de que a justiça irá prevalecer de alguma forma, mesmo quando não é bem assim.

DeAngelo foi preso, mas não há uma razão satisfatória para os crimes que ele cometeu. E não há punição severa o suficiente que compense a dor de suas vítimas – inclusive, Michelle McNamara.

Tags:

Leia também:

Baseada na obra de Patricia Highsmith, nova minissérie da Netflix mostra que não há versão definitiva de Tom Ripley.
Por que elfos negros ou guerreiras poderosas incomodam?
Documentário sobre esquema de pirâmide mistura Fyre Festival com NXIVM
Com produção executiva de J.J. Abrams e Jordan Peele, série mistura terror, ficção científica e fantasia para dar voz aos negros.