Se inscreva no canal do Telegram
Pesquisar
Close this search box.

HBO Go: I May Destroy You

Série de Michaela Coel quer destruir o seu ego.
Compartilhe:

Para receber todas as novidades, se inscreva no canal do Telegram

A série “I May Destroy You” é desconfortável. Os “heróis” são falhos, os “vilões” se redimem, não há certo ou errado, mas várias camadas de cinza. Sua criadora e protagonista, a britânica Michaela Coel, trata de temas difíceis – como consentimento sexual, homofobia, raça e gênero – de uma forma autêntica e humana, sem julgamentos definitivos.

Exibida nos canais HBO e disponível via streaming na HBO Go, “I May Destroy You” conta a história de Arabella, uma jovem escritora que é dopada em um bar de Londres e precisa refazer a vida após recobrar a memória do estupro. Seus melhores amigos, Terry (Weruche Opia) e Kwame (Paapa Essiedu), tentam ajudá-la enquanto lidam com seus próprios problemas.

“Antes do estupro, nunca reparei muito no fato de que sou uma mulher. Estava ocupada sendo negra e pobre,” diz Arabella em um dos episódios. Buscando pela própria identidade, ela tenta navegar por tribos diferentes e se recorda da vez em que atacou uma colega branca de escola para defender um abusador negro (o relato da menina é exagerado, mas há uma transgressão óbvia). 

“Na escola, seus maiores antagonistas eram professores racistas, então era natural juntar força com os negros,” explicou Coel em entrevista. Após o estupro, Arabella tenta encaixar o seu pensamento com o das influencers feministas. “A série trata da sua necessidade de pertencer, ela tem dificuldade de compreender que ela pode ser um indivíduo, sem a mentalidade de turba”.

“I May Destroy You” causa desconforto porque, a todo momento, seus personagens revelam alguma forma de hipocrisia – e nós, como espectadores, reconhecemos esses defeitos. “Todo mundo tem de lidar com alguma coisa. Todo mundo tem segredos e falhas[…]Prestei atenção nas minhas próprias vulnerabilidades e na minha resistência em me observar para permitir com que a mensagem fosse transmitida ao público”.

Com um final metalinguístico, Coel examina as consequências de suas ações e o impacto que ela mesma causa ao seu redor. “I May Destroy You” (“eu posso te destruir”, em tradução livre do inglês para o português) trata da destruição do ego (o bar em que ela é estuprada se chama, literalmente, “A Morte do Ego”), tudo na tentativa de recuperar a responsabilidade de seus próprios atos.

Tags:

Leia também:

Escrito e dirigido por Kitty Green, um dos melhores filmes de 2020 aborda temas da era #MeToo.
Cinebiografia subjetiva retrata o processo criativo de Shirley Jackson, autora de "A Assombração da Casa da Colina".
Emma Stone interpreta punk de boutique.
Estreia de Regina King na direção humaniza figuras da luta pelos direitos civis nos Estados Unidos.