Se inscreva no canal do Telegram
Pesquisar
Close this search box.

Netflix: Puro-Sangue

Suspense com Oliva Cooke e Anya Taylor-Joy é um dos filmes mais afiados de 2018.
Compartilhe:

Para receber todas as novidades, se inscreva no canal do Telegram

É raro encontrar uma tradução tão perfeita de um título de filme como “Puro-Sangue”. Em inglês, o termo “thoroughbred” se refere à raça premiada de cavalos e também denota uma boa criação, como a das protagonistas do subúrbio afluente de Connecticut. Em português, “puro-sangue” carrega todos estas conotações e adiciona mais uma: a sanguinolência. Um dos melhores filmes de 2018, “Puro-Sangue” já começa com a equação garota + cavalo + faca. Ainda que a ação ocorra em off, o resultado é fácil de calcular.

Olivia Cooke e Anya Taylor-Joy interpretam Amanda e Lily, duas adolescentes ricas, mas bastante diferentes uma da outra. Lily é uma patricinha de colégio interno, muito preocupada com as aparências; já Amanda não se importa com qualquer convenção social. Depois do episódio com o cavalo e a faca, seus médicos não conseguem decidir se ela tem transtorno de personalidade borderline ou se ela é antissocial com tendência esquizoide. Em resumo, Amanda é apática e brutalmente honesta.

Desde o começo, a tensão nasce da dicotomia entre as personagens. Cansada de performar normalidade, Amanda desmascara as falsas gentilezas de Lily – que, por sua vez, começa a ver vantagem numa amizade desprovida de moralismos. Sempre que se encontram, elas se desafiam. Quem consegue chorar de forma mais convincente? Quem aguenta mais tempo debaixo d’água? A fronteira final é uma questão de ética, a maior de todas: quem seria capaz de matar?

O alvo é o padrasto de Lily, um babaca louco por fitness e demonstrações desnecessárias de virilidade. O filme é excelente ao retratá-lo como um ser desprezível, é impossível não odiá-lo – mas o desdém é motivo suficiente para cometer assassinato? Dirigido pelo estreante Cory Finley, que também assina o roteiro, “Puro-Sangue” é preciso e delicioso como um suspense de Alfred Hitchcock, mas ao centralizar a trama no universo de duas adolescentes, o longa se torna mais fresco e original.

Para dar cabo do padrasto sem levantar suspeitas, Lily e Amanda vão precisar da ajuda do traficante Tim, interpretado por Anton Yelchin (“Puro-Sangue” é dedicado à memória do ator que morreu em um acidente bizarro em 2016, quando tinha apenas 26 anos). Em contraste com a frieza de Amanda e a superficialidade de Lily, Tim é provavelmente a figura mais simpática do filme, pois cabe ao pária social trazer uma sensação de deslumbramento em meio à opulência do estilo de vida das garotas.

Com trilha sonora de Erik Friedlander, que lembra o trabalho de Johnny Greenwood em colaborações com Paul Thomas Anderson, e a fotografia sofisticada de Lyle Vincent, “Puro-Sangue” impressiona pela técnica afiada em todos os seus departamentos, dos diálogos do roteiro até a edição de som – mas, em especial, nas perfomances de Cooke e Taylor-Joy. No centro da narrativa, há a noção de que todos nós tentamos nos passar por “normais”, mas só alguns realmente convencem.

Tags:

Leia também:

Baseada na obra de Patricia Highsmith, nova minissérie da Netflix mostra que não há versão definitiva de Tom Ripley.
Com Andrew Garfield, suspense de David Robert Mitchell busca significado na cultura pop.
Série de Mike White explora o poder do dinheiro nas relações humanas.
Suspense eficaz com Sarah Paulson tem pé firme na realidade.