Se inscreva no canal do Telegram
Pesquisar
Close this search box.

Netflix: Estou Pensando em Acabar com Tudo

Baseado em livro de Iain Reid, Charlie Kaufman assina o roteiro e a direção de nova produção da Netflix.
Compartilhe:

Para receber todas as novidades, se inscreva no canal do Telegram

Na virada do século, Charlie Kaufman era o bambambã dos roteiristas. Filmes como “Quero Ser John Malkovich” (1999), “Adaptação” (2002) e “Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças” (2004) impressionavam por combinar inovação e metalinguagem de uma forma acessível – isto é, você não precisava ser um cinéfilo chato para apreciar o estilo. Quando Kaufman se tornou diretor, porém, as coisas mudaram, sua obra ficou mais introspectiva e sisuda. Após o fracasso comercial de “Anomalisa” (2015), ele encarou um hiato de cinco anos e só retornou agora, com “Estou Pensando em Acabar com Tudo”.

Já disponível na Netflix, “Estou Pensando…” é uma adaptação do livro homônimo de Iain Reid, mas o roteiro e a direção são bem característicos do universo criativo de Kaufman, dos movimentos de dança de “Quero Ser John Malkovich” às mudanças do cabelo de Kate Winslet em “Brilho Eterno” – desta vez, contudo, não é a cor do cabelo que muda constantemente e que serve como um ponto de referência na história, mas o figurino da talentosa atriz irlandesa Jessie Buckley, que interpreta uma jovem mulher sem nome (pode ser Lucy, Lucia ou Louisa, depende do momento).

Lucy/Lucia/Louisa foi convidada pelo namorado Jake (Jesse Plemons) a conhecer os seus pais (Toni Collette e David Thewlis), que moram numa fazenda distante. Neva forte durante a viagem e ela quer retornar na mesma noite. Sabemos, de antemão, que ela está pensando em acabar com tudo. Com o namoro? A própria vida? Ambos? De toda forma, a viagem parece desnecessária e desconfortável. Durante os diálogos do casal, Kaufman se esforça para exibir a própria inteligência (Buckley chega a recitar um ensaio da crítica Pauline Kael), o que deixa “Estou Pensando…” bastante desgastante.

Com pouco mais de duas horas de duração, “Estou Pensando…” parece mais longo para o espectador. A visita em si na casa dos pais é como um filme de terror sobre Alzheimer, um pesadelo tortuoso de David Lynch. Há bons insights aqui e ali, sobretudo como o tempo transforma as nossas memórias e as nossas relações, mas há muitas piadas internas e piscadelas ao público – aparentemente, Kaufman odeia Robert Zemeckis? Apesar do jogo enigmático de citações e referências, tudo aponta para um artista frustrado, que se tornou mais cínico e amargo com o passar dos anos.

Tags:

Leia também:

Dicas do que ver no streaming em outubro.
Melodrama traz Carey Mulligan e Ralph Fiennes em descoberta arqueológica.
Baseada na obra de Patricia Highsmith, nova minissérie da Netflix mostra que não há versão definitiva de Tom Ripley.
Olivia Colman domina em estreia de Maggie Gyllenhaal na direção.