Se inscreva no canal do Telegram
Pesquisar
Close this search box.

Netflix: Moxie

Filme adolescente de Amy Poehler incita rebelião comportada.
Compartilhe:

Para receber todas as novidades, se inscreva no canal do Telegram

Em inglês, “moxie” é uma gíria antiquada que denota coragem, ousadia, garra – características que fazem falta no mais novo lançamento da Netflix, “Moxie: Quando as Garotas Vão à Luta”. Baseado no livro de Jennifer Mathieu, com adaptação de Tamara Chestna e Dylan Meyer, além da direção da atriz e comediante Amy Poehler, “Moxie” conta a história de Vivian Carter (Hadley Robinson), uma garota de 16 anos acostumada a passar desapercebida pelos corredores da escola, sempre ao lado da também comportada Claudia (Lauren Tsai).

Tudo muda com a chegada de Lucy Hernandez (Alycia Pascual Peña), uma aluna nova e cheia de opiniões fortes – quase que imediatamente, ela se torna alvo da ira do atleta Mitchell Wilson (Patrick Schwarzenegger), o reizinho do colégio que faz o que bem entende porque conta com a proteção da diretora Shelly (Marcia Gay Harden). Inspirada pela novata e pelo passado ativista de sua mãe (interpretada por Poehler), Vivian mergulha no punk feminista da banda Bikini Kill e acaba criando uma zine de resistência, intitulada “Moxie!”.

Sem assumir a autoria da revistinha, ela distribui as cópias pelos banheiros femininos. A princípio, ninguém dá muita bola – com o tempo, porém, mais e mais meninas começam a se sentir representadas pelas queixas da publicação, que aponta injustiças cometidas contra as alunas. As leitoras acabam formando um clube e dão início a uma série de protestos pela escola. Quando as coisas começam a ficar mais sérias, no entanto, Vivian terá de criar coragem para assumir os seus atos e sofrer as consequências.

Durante o filme, há uma cena em que a mãe de Vivian comenta sobre os erros do movimento feminista nos anos de 1990, “nós discutíamos umas com as outras, não tínhamos muita interseccionalidade…” – e, de fato, “Moxie” tenta retratar grupos diversos, mas não sabe bem o que fazer com esses grupos. Quando duas meninas se beijam durante um show, é possível imaginar as roteiristas riscando “lésbicas” de uma lista de minorias (não há nada que indique a atração das personagens e o beijo em si não provoca efeito algum).

Fora a representatividade esvaziada de significado, o roteiro de “Moxie” é muito comedido para refletir o que significa o feminismo na era #MeToo, ainda mais para meninas adolescentes. Outros filmes do gênero, como a comédia “Fora de Série”, conseguiram representar a geração Z com mais autenticidade e de uma forma mais divertida, sem os limites rígidos da classificação etária. Para um filme que se inspira tanto no punk, “Moxie” entrega uma rebelião de butique – faltam até os palavrões das letras de Bikini Kill.

Tags:

Leia também:

Líder de indicações no Globo de Ouro, filme com Scarlett Johansson e Adam Driver aborda o tema do divórcio sem virar dramalhão.
Em sua sexta temporada, série de Charlie Brooker tenta algo diferente.
Comédia romântica de Alice Wu faz releitura lésbica de Cyrano de Bergerac.
Especial de Bo Burnham é o melhor retrato da pandemia.