Se inscreva no canal do Telegram
Pesquisar
Close this search box.

O vento não vai levar o Borba Gato

O que fazer com estátuas de bandeirantes e filmes com estereótipos racistas?
Compartilhe:

Para receber todas as novidades, se inscreva no canal do Telegram

Nesta semana, a nova plataforma de streaming HBO Max (ainda não disponível no Brasil) anunciou que, diante da temática racista da obra e dos acontecimentos recentes, retiraria “E o Vento Levou…” de seu catálogo. Com Vivien Leigh e Clark Gable no elenco, a produção de 1939 se passa no sul dos Estados Unidos, logo após a Guerra Civil Americana, e tem personagens negros que se contentam em continuar servindo à aristocracia sulista, mesmo após o fim da escravidão. 

O filme foi um sucesso histórico de público e ganhou dez estatuetas do Oscar, inclusive o de melhor atriz coadjuvante para Hattie McDaniel, a primeira pessoa negra a ser contemplada pela Academia. Durante a premiação, a atriz não pôde sequer se sentar ao lado de Leigh e Gable, por culpa de uma segregação racial que duraria até meados da década de 1960. Para muitos, “E o Vento Levou…” foi como o “Green Book” de sua época, uma tentativa patética de reconciliação racial que serviu para aliviar a barra do branco.

Sim, “E o Vento Levou…” é racista, mas a história do cinema é racista. D.W. Griffith, considerado o “pai da linguagem cinematográfica”, retratou a Ku Klux Klan como um grupo heroico em “O Nascimento de uma Nação” (1915) – e, depois, se “desculpou” com “Intolerância” (1916). Há mérito técnico em sua obra, mas é impossível ignorar uma temática criminosa, seja ela “fruto do seu tempo” ou não. Então, o que fazer? Devemos parar de exibir os filmes de Griffith em cinematecas e faculdades de cinema?

Não é um debate novo. Ninguém sabe ao certo o que fazer com estátuas de bandeirantes, ruas com nomes vinculados à ditadura militar, livros e filmes com termos ou estereótipos racistas. Entre a destruição ou a manutenção destes símbolos, deve haver alguma resposta intermediária, uma forma de preservar a História, mas de apresentá-la de maneira mais crítica. Não se trata de “deixar o Borba Gato em paz”, mas de remover os bandeirantes de um lugar de prestígio, mantendo a memória do que eles fizeram e por que foram celebrados como heróis.

Não adianta varrer séculos de racismo, misoginia e homofobia para debaixo do tapete, como se nunca tivessem existido ou como se não existissem mais. O vento não vai levar o Borba Gato. Podemos dinamitar a estátua da Avenida Santo Amaro, mas toda a história de dominação violenta dos povos indígenas permanece conosco, em nosso dia a dia. Basta ouvir a fala do ministro da educação durante a reunião ministerial. Não é possível esquecer o passado quando ainda vivemos nele.

Tags:

Leia também:

O Código Hays como ferramenta da supremacia branca.
Aromas inspirados em clássicos do cinema na Caixa Misteriosa Hollywood.
Um pouco do contexto histórico de um dos filmes mais importantes do cinema americano.
Entre refilmagens e sequências, a bilheteria deverá ser dominada pelas franquias da Disney.