Se inscreva no canal do Telegram
Pesquisar
Close this search box.

A primeira profecia da Imaculada

Como dois filmes tão similares foram lançados no mesmo ano?
Compartilhe:

Para receber todas as novidades, se inscreva no canal do Telegram

Morto por esfolamento, São Bartolomeu é representado segurando a própria pele. Torturada pelos romanos, Santa Luzia carrega os seus olhos arrancados sobre uma bandeja dourada – Santa Ágata, por sua vez, exibe os seios extirpados. Na eucaristia, é claro, devoramos o corpo de Cristo e bebemos o seu sangue. O terror é indissociável do catolicismo e o catolicismo é indissociável do terror.

Já no cinema mudo, filmes como “Häxan” (1922) e “Fausto” (1926) retratavam o diabo como uma criatura chifruda e de unhas longas. Em 1931, quando Bela Lugosi fez “Drácula”, o vampiro fugia assustado quando avistava um crucifixo. E o que dizer, então, dos clássicos “O Bebê de Rosemary” (1968) ou “O Exorcista” (1973)? Há mais de um século que a iconografia católica assombra a sétima arte – e, julgando pelos lançamentos de 2024, não será exorcizada tão cedo.

Em “A Primeira Profecia” e “Imaculada”, a Igreja é uma instituição sinistra, repleta de freiras e padres tenebrosos (especialmente, freiras). Os dois filmes tratam de noviças que, prestes a proferir os votos perpétuos, vão morar em conventos italianos – e daí, conforme manda a tradição do terror, coisas estranhas começam a acontecer.

Dirigido por Arkasha Stevenson, de “Vingança Sabor Cereja”, “A Primeira Profecia” estreou nos cinemas brasileiros no início de abril. Com Sônia Braga como uma das freiras tenebrosas, o terror tem a atuação corajosa da inglesa Nell Tiger Free, conhecida por “Game of Thrones”, e algumas cenas boas. Surpreendentemente, conta também com uma deliciosa trilha sonora de discoteca italiana.

Já o roteiro é uma zona. Sem revelar muito da trama, a Igreja vive uma crise diante do espírito contestador da década de 1970, mas os religiosos têm um plano diabólico para fazer com que os infiéis voltem à missa de domingo. É um prelúdio de “A Profecia”, original de 1976 com Gregory Peck, mas não é necessário conhecer a franquia. Basta saber que tem a ver com o surgimento do Anticristo.

Já “Imaculada”, que estreia nos cinemas brasileiros neste feriado de Corpus Christi, tem a it-girl Sydney Sweeney como a noviça atormentada. Vivendo em um convento remoto, ela descobre uma gravidez e, por ser comprovadamente virgem, passa a ser tratada como um milagre ambulante – um milagre que ela nunca pediu. Não se preocupe, tudo isto está no trailer. Aliás, se você viu o trailer, você viu o filme praticamente inteiro.

Não há um único susto que não tenha saído de um filme melhor, ou mesmo de um curta bastante famoso no YouTube. Na maior parte do tempo, a personagem de Sweeney não tem personalidade alguma e vai aceitando tudo o que acontece sem protestar. É, talvez, nos vinte minutos finais que ela decide acordar para a vida. E, de fato, acaba encerrando “Imaculada” com chave de ouro, apesar do caminho tortuoso até lá.

Não é à toa que duas produções tão similares estejam sendo lançadas agora. Em 2022, a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu que a constituição americana não confere o direito ao aborto, o que abriu uma brecha legal para que os estados abolissem a prática de forma independente. A despeito das pesquisas que apontam que 61% da população é favorável à legalidade do aborto, a influência religiosa sobre o tema é muito grande.

Desde então, tudo ficou mais difícil para as mulheres. Não só o acesso ao aborto seguro, mas também o acesso a contraceptivos comuns. As Big Techs já operam em conjunto com a Justiça para punir quem passa pelo procedimento. Pela falta de privacidade, mulheres começaram a apagar aplicativos que acompanhavam o ciclo menstrual. Há toda sorte de leis bizarras sendo propostas. E já vemos os efeitos disto também no Brasil.

Na onda satânica do final dos anos de 1960 aos anos de 1970, em filmes como “O Bebê de Rosemary”, “O Exorcista” e “A Profecia”, o que tínhamos a temer era o próprio Satanás (ou Pazuzu, no caso da obra de Friedkin) e os seus adoradores. No século XXI, a maior ameaça à nossa integridade física e espiritual são aqueles que se dizem cristãos. Ainda teremos muitas “Imaculadas” e “Primeiras Profecias” pela frente. Certo mesmo estava o Drácula.

Tags:

Leia também:

Cinebiografia subjetiva retrata o processo criativo de Shirley Jackson, autora de "A Assombração da Casa da Colina".
Terror mexicano elogiado pela crítica discute papéis de gênero.
Terror feminista com Sophia Lillis impressiona pelo visual, mas não convence.
Nova versão do clássico de H.G. Wells reflete angústia feminina.