Se inscreva no canal do Telegram
Pesquisar
Close this search box.

Amazon Prime: Huesera

Terror mexicano elogiado pela crítica discute papéis de gênero.
Compartilhe:

Para receber todas as novidades, se inscreva no canal do Telegram

Na adolescência, Val tinha a cabeça raspada, piercing no nariz e tocava guitarra – coisas que você jamais imaginaria se a visse adulta, levando uma vida de dona de casa e esperando o primeiro filho com o seu maridão. Esta é ordem natural da vida, certo? Abandonamos a rebeldia e nos tornamos pessoas comuns, conformadas.

De “O Bebê de Rosemary” a “O Babadook”, obras que tratam da maternidade são costumeiras no terror. O novo “Huesera”, no entanto, utiliza o contexto da gravidez para discutir papéis de gênero. Com a boa estreia da diretora Michelle Garza Cervera, o filme mexicano foi premiado no Festival de Tribeca de 2022 e está disponível na Amazon Prime Video.

Heteronormatividade é uma palavrinha complicada que pode não significar muita coisa para quem acha que ser mãe é como um instinto, um dom natural da mulher – mas quem vive à margem das expectativas da sociedade, a crença num padrão de comportamento pode ser um verdadeiro suplício.

Durante uma conversa entre mulheres (na cozinha, é claro), a mãe de Val dá graças a Deus por ver a filha casada e esperando um bebê, pois assim ela não será uma “encalhada” como a sua tia – a tal da tia encalhada é, na verdade, lésbica e Val é, aparentemente, a única da família que sabe.

Em algum momento da juventude, Val se viu dividida entre uma vida autêntica, com todos os seus riscos e dificuldades, e uma vida que não batesse de frente com o ideal dos outros, em acordo com as vontades de sua família religiosa. E, então, o cabelo cresceu, o piercing foi retirado e a guitarra foi guardada no fundo do armário.

Quando a gravidez chega, a paixão pela carpintaria (a última expressão genuína de sua personalidade) dá lugar ao quarto do bebê. Ela até tenta acomodar as duas coisas e constrói o próprio berço, mas a pressão social acaba vencendo e, muito simbolicamente, entra o berço de loja com um móbile genérico de plástico.

As visões que Val passa a ter, de uma mulher medonha, com um rosto sem traços definidos, é a manifestação do luto pela pessoa que ela poderia ter sido e que, por forças internas e externas, foi massacrada dentro dela mesma até se tornar irreconhecível. No ápice do seu tormento, ela terá de decidir qual versão dela mesma será vitoriosa.

Tags:

Leia também:

Não é a primeira ou a última vez que a comunidade LGBTQ abraça um filme de terror como se fosse seu.
Dicas do que ver no streaming em outubro.
Como dois filmes tão similares foram lançados no mesmo ano?
Nova versão do clássico de H.G. Wells reflete angústia feminina.